Coluna 19 - Jornal Hoje Centro Sul - edição de Natal


0

Coluna 18 - Jornal Hoje Centro Sul


0

Saúde bucal previne doenças em cães e gatos

Bactérias da boca podem ir para corrente sanguínea e atingir órgãos vitais. Veterinário recomenda escovação diária nos dentes de seus pets.

      Cuidar da higiene bucal do seu pet é um passo para evitar problemas de saúde em seu bichinho de estimação. De acordo com o veterinário Herbert Corrêa, diretor da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária (Abov), a doença bucal mais comum é a periodontal.

      “Ela é causada pela placa bacteriana, que inflama a gengiva, causa mau hálito e, se não for tratada, pode evoluir para a retração gengival e óssea”, afirma o veterinário, complementando que com este problema os dentes podem cair. “Pior que a perda dos dentes, a doença periodontal pode levar a complicações de saúde, pois as bactérias da boca vão para a corrente sanguínea e atingem órgãos vitais, como coração, pulmões, fígado e rins”, alerta o Dr. Herbert.

 

     A estudante de história Sandra Gomes de Lima observou que seu gatinho Frederico, de 4 anos, parece ser banguela. “Procuramos a veterinária e soube que os dentes dele não cresceram, estão abaixo da gengiva”, afirma. Sandra diz que a profissional verificou que o animal é saudável e não optou por algum tipo de intervenção cirúrgica. Ela tem ainda mais dois gatos e conta que Fred se alimenta como os demais, apenas costuma morder mais. A estudante conta que costuma escovar os dentes dos animais, mas enfrenta dificuldades porque eles são muito agitados. “Eles não param quietos e arranham. Não consigo escovar sozinha, preciso de mais uma pessoa para me ajudar”, diz.

 Recomendações 

 De acordo com o Dr. Herbert Corrêa, a principal medida para evitar as doenças é controlar o acúmulo de placa bacteriana. “O ideal é realizar a escovação diária dos dentes, que deve ser feita com escova macia e pasta própria para animais”, diz. Segundo ele, rações secas e ossinhos ajudam no controle da placa, mas nada substitui a escovação.

 Fonte: http://g1.globo.com/Noticias 

 

Coluna 17 - Jornal Hoje Centro Sul


0

Ciclo da Pulga

 Com a chegada do calor, aparecem as companheiras indesejáveis dos cães e gatos; as pulgas. Para combatê-las com eficiência é necessário entender seu ciclo.

            Cada pulga adulta deposita 20 a 50 ovos por dia no pêlo do animal. Estes ovos logo caem no ambiente e transformam-se em larvas. Para fugir da luz, as larvas escondem-se nos cantos, frestas e regiões mais profundas de carpetes, tapetes e sofás. Quando maduras, as larvas transformam-se em pupas, estas são revestidas por um casulo, por isso podem resistir por mais de 6 meses no ambiente, esperando por condições ideais de temperatura para eclodirem. Encontrando tais condições, ou seja, calor e umidade, as pulgas em fim transformam-se em pulgas adultas, a única forma que nós enxergamos.

            Na intenção de eliminar as pulgas, muitas vezes o proprietário julga ser suficiente catar o animal ou banhá-lo com produtos anti-pulgas, mas não é o suficiente. É necessário a utilização de produtos de longa duração , que tenham ação sob as formas imaturas presentes no ambiente.

            Para maiores esclarecimentos informe-se com um médico veterinário.

 

Cão & Cia

Veterinária

Coluna 15 e 16 - Jornal Hoje Centro Sul - Parte I e II


0

ZOONOSES – Cães e Gatos

As Zoonoses são infecções e doenças que podem ser adquiridas em contato com animais de estimação como cachorro, gato e passarinho, ou ainda, pela ingestão de carne contaminada de animais como o gado ou o porco. Outras doenças podem ser contraídas através do contato não desejado com ratos, moscas e baratas, principalmente através da ingestão de água ou alimentos contaminados.

 

Larva migrans cutânea (bicho geográfico): A larva migrans cutânea é encontrada por toda parte onde se encontrem cães e/ou gatos infectados com ancilostomídeos, sobretudo A. braziliense e A. ceylanicum. O problema é mais frequente em praias e em terrenos arenosos, onde esses animais poluem e meio com suas fezes. Em muitos lugares, são os gatos as principais fontes de infecção. O hábito de enterrar os excrementos, tão característico desses animais, e a preferência por fazê-lo em lugares com areia, favorecem a eclosão dos ovos e o desenvolvimento das larvas. As crianças contaminam-se ao brincar em depósitos de areia para construção, ou nos tanques de areia dos locais destinados à sua recreação. Todos os animais domésticos devem ser tratados sistematicamente e com regularidade para prevenir as reinfecções.

 

Dipilidiose: a infestação por cestódios é extremamente comum em cães e, em menor extensão, em gatos. Os seres humanos podem tornar-se infestados com a forma adulta do cestódio (vermes chatos na sua forma) dipylidium caninum, em seguida à ingestão do hospedeiro intermediário, a pulga. Normalmente a infestação nos seres humanos exibe sintomas clínicos, ocorrendo com maior freqüência em crianças jovens.

 

Dirofilariose: acomete principalmente o cão doméstico, o gato e várias espécies de animais silvestres. Referidos vermes são classificados na Ordem Spirurida, superfamília Filaroidea, família Filariidae. Nesse gênero (Dirofilaria), foram já descritas várias espécies, entre as quais: Dirofilaria immitis (Leidy,1856), e a Dirofilaria repens (Railliet y Henry, 1911). Ambas em sua fase adulta localizam-se no coração, especialmente em sua porção direita, na artéria pulmonar, e raramente outros vasos hemáticos e órgãos. A dirofilariose humana é raramente reconhecida, sendo causada por êmbolos de larvas mortas do parasita nos pulmões. os êmbolos larvais são revelados radiograficamente como nódulos e, embora a moléstia seja freqüentemente assintomática, requer biópsia cirúrgica e avaliação histológica, para a confirmação do diagnóstico e eliminação de condições mais sérias.

 

Toxoplasmose: a infecção com o parasita protozoário toxoplasma gondii ocorre numa série de animais de sangue quente, mas a família dos felídeos parece ser o único hospedeiro definitivo (único hospedeiro onde ocorre o ciclo sexual do parasita). Os gatos se tornam infectados após a ingestão de animais caçados, ou de carne crua contendo os trofozoítos. Após a infecção, os gatos excretam oocistos em suas fezes durante uma ou duas semanas. Os oocistos se tornam infectantes em dois ou três dias, e podem sobreviver no ambiente por diversos meses. a infecção humana ocorre com a ingestão de trofozoítos na carne crua ou mal cozida, Ingestão de oocistos provenientes das fezes de gato, e pela via transplacentária. A infecção raramente produz moléstia clínica em seres humanos adultos, a menos que estejam imunocomprometidos. A infecção congênita do feto humano através da transmissão placentária representa a maior ameaça aos seres humanos. a infecção congênita pode levar a uma grave moléstia por ocasião do nascimento, e as afecções oculares, mais tarde, durante a vida do indivíduo. Alguns cuidados durante a gravidez: ao manusear carnes cruas, verduras ou fezes de animais, convém uso de luvas.

 

Leptospirose: A lepstospirose e enfermidade endemica, bastante comum em épocas de chuvas. É uma doença causada por bactéria, a LEPTOSPIRA ssp, afetando a maior parte dos animais inclusive o homem. É transmitida através da urina, água e alimentos contaminados pelo microorganismo, pela penetração da pele lesada, e pela ingestão. O cão e outros animais como por exemplo rato, bovino e animais silvestres também podem contrair a doença e transmiti-la.

 

Campilobacteriose e salmonelose: Cães e gatos podem abrigar campylobacter jejuni e uma série de espécies não-tifóides de salmonella. Infecções com estas bactérias em cães e gatos nem sempre cusam moléstias clínica, e têm sido isoladas das fezes de animais sadios. A maior parte dos casos de enteropatia (problema intestinais) humana causada por estas bactérias não está associada à exposição a animais de companhia. os profissionais devem aconselhar os donos de animais que todas as fezes, e em especial as associadas com diarréia, devem ser manipuladas com cuidado, e eliminadas de modo a impedir a potencial exposição humana.

 

Dermatomicose: a transmissão direta de microsporum canis de cães e gatos de fato ocorre. Até 30% dos casos de "tinha" humana em áreas urbanas foram associados a contato direto com animais. os proprietários dos animais devem ser aconselhados a lavar bem as suas mãos, após a manipulação de cão ou gato infectado, e a não permitir que seus filhos brinquem com os animais, até que o tratamento tenha resolvido a moléstia.

 

Esporotricose: esporotricose é uma moléstia fúngica cutânea ou linfocutânea crônica causada por sporothrix schenckii, cães, gatos, e seres humanos são suceptíveis à moléstia, que geralmente está associada a feridas traumáticas, penetrantes. Relatos recentes indicam que os cães infectados podem transmitir diretamente a infecção para os seres humanos. Devido a estes achados, gatos com esporotricose devem ser manipulados com luvas, até à resolução do processo.

 

Raiva: A raiva é uma doença provocada por vírus, caracterizada por sintomatologia nervosa que acomete animais e seres humanos. Transmitida por cão, gato, rato, bovino, eqüino, suíno, macaco, morcego e animais silvestres, através da mordedura ou lambedura da mucosa ou pele lesionada por animais raivosos. Os animais silvestres são reservatório primário para a raiva na maior parte do mundo, mas os animais domésticos de estimação são as principais fontes de transmissão para os seres humanos.

 

Pulgas e ácaros de sarna: a sarna canina e felina, e pulgas têm um grande potencial zoonósico. A dermatose associada a pulgas ou ácaros de sarna em seres humanos é geralmente autolimitante, mas pode voltar se não for curado o animal ou não for feita a higiene adequada do ambiente.

 

Extraído do site: http://www.saudevidaonline.com.br/artigo83.htm

 

Agende-se:

Dia 28 de novembro – cadastramento para castração de cães e gatos no Alto da Lagoa

Doações para o Bazar: Rua XV de Novembro 207 (Aline) – em frente a Loja SPIDS

 

 

Como os cachorros veem o mundo


0


Os cientistas começam a desvendar um mistério milenar: como os cachorros veem o mundo e por que eles são tão apegados a seus donos

 

Não há parceria como a do homem com o cão. Ainda assim, em termos de estudos científicos, os ratos recebem maior atenção que o cachorro. Devido a seu uso como cobaia, sabe-se quase tudo sobre o comportamento dos roedores e até já se descobriu como tornar sua existência mais longeva. Por outro lado, o convívio por mais de 14 000 anos permitiu ao homem entender, na prática, bastante bem o comportamento canino. Mas também levou à concepção emotiva de que, de certa forma, o totó tem um lado humano, ainda que insista em fazer xixi no poste. Sobre esse assunto já não se está completamente no escuro. Uma série de estudos recentes lançou luzes sobre, digamos, a vida interior dos cães. Obviamente, o que se está descobrindo nada tem de humano.

 

A apreciação científica mais completa sobre a mente canina está no livro Inside of a Dog: What Dogs See, Smell and Know (”Dentro de um cão: o que os cães veem, cheiram e sabem”, em inglês), da americana Alexandra Horowitz. Desde o lançamento, no início de setembro, a obra está na lista das mais vendidas. Psicóloga da Universidade Colúmbia, com especialização em ciência da cognição, Alexandra se propõe a explicar o que significa ser um cachorro. Em outras palavras, como é o mundo do ponto de vista canino. Cinco meses atrás, a Universidade Harvard abriu um laboratório de pesquisas com 1 000 cães, e a Universidade Duke, na Carolina do Norte, vai abrir o seu neste mês. “O número de estudos sobre cães aumenta porque esses animais, antes estigmatizados pela ciência, são tão interessantes para as pesquisas de convívio social quanto os chimpanzés”, diz o biólogo Marc Hauser, chefe do Laboratório de Evolução Cognitiva de Harvard. No início deste ano, ele deixou a pesquisa de primatas para se dedicar aos cães.

 

Apesar de toda nossa convivência com os cães, talvez seja mais simples entender os chimpanzés, primos na árvore da evolução. Os cães percebem o mundo de um modo tão próprio que só pode ser descrito por analogias. Para poder explicar, a psicóloga Alexandra Horowitz tentou imaginar a vida do ponto de vista de um animal cujo sentido principal é o olfato. Para os cães, o cheiro equivale à visão humana. É o primeiro recurso usado para reconhecer o ambiente ao redor. Quando acordam, esses animais farejam a casa para saber se algo aconteceu enquanto dormiam. Dependendo da raça, um cão pode ter entre 200 milhões e 300 milhões de receptores de olfato nas narinas. O nariz humano só tem 5 milhões. Odores imperceptíveis para nós, como os das moléculas de ácido butírico provenientes das células da epiderme, deixadas por uma presa, compõem para os cães um rastro que pode ser seguido com segurança.

 

O cão tem maior interesse pelo que é cheirado do que por aquilo que é visto. Paisagens que deixam as pessoas boquiabertas só se tornam interessantes para um canino se o vento trouxer algum cheiro significativo. Cheirar o sapato de um recém-chegado, para um cão, é uma experiência que rende informações que o homem não tem como obter sozinho. O animal consegue saber por onde a pessoa andou e com que frequência esteve naquele lugar, se teve contato com outros animais, se fez sexo recentemente, se está tomada pelo medo ou pela ansiedade. O tempo como uma cadeia contínua de eventos nada significa para o cão. Tempo também é cheiro. Essa capacidade funciona como um relógio sem ponteiro: o passado, para um cachorro, significa odor enfraquecido; um fato novo tem fragrância forte. Ele realmente é capaz de prever chuva, como se acredita tradicionalmente. Não se trata de clarividência, e sim da transmissão pelo vento do cheiro da tormenta que se aproxima. “Imagine se cada detalhe de nosso mundo visual tivesse um odor correspondente”, escreveu Alexandra Horowitz. “Para um cão, cada pétala de rosa pode ser diferente, pois foi visitada por insetos que deixaram indícios olfativos de sua presença.” O olfato age até mesmo enquanto os cães dormem. O homem, que tem a visão como sentido primordial, sonha com imagens. Provavelmente, o sonho dos cães é repleto de odores. O costume dos donos e veterinários de lavar os cães com xampus cheirosos é terrível para eles. Funciona como se fosse apagada a memória dos episódios das últimas semanas. “A menor fragrância dos produtos de limpeza é quase um insulto olfativo para o cão”, escreve Horowitz.

 

Com um nariz tão desenvolvido, os cães se valem de olhos e ouvidos como sentidos complementares. A gama de cores que os cães percebem varia entre o azul, o verde e o amarelo, com menos nuances de tons que as captadas pelo olho humano. Com um número menor de fotorreceptores que o olho humano, eles têm dificuldade em ver objetos próximos. Em compensação, a visão periférica pode ser sensacional em certas raças, chegando a 270 graus (a do homem é de apenas 180 graus). A audição canina é mais sensível e tem um espectro muito maior que a humana. Um ambiente silencioso, como um quarto escuro durante a madrugada, é cheio de ruídos para os cães. Eles percebem sons muito baixos, como passos do outro lado da rua ou o movimento dos ratos entre as paredes, e também sons inaudíveis para o homem, como as ondas de alta frequência emitidas por relógios digitais. Da mesma forma, um cão pode localizar a origem de um som mais rápido que um ser humano. Os dezoito ou mais músculos especializados permitem ao cão dobrar, girar, levantar e baixar as orelhas. No homem, apenas seis músculos sustentam as orelhas.

 

Os cães descendem dos lobos, e a separação se deu há tão pouco tempo que as duas espécies ainda podem cruzar e gerar descendentes. Mas as diferenças já são enormes. O cérebro do animal doméstico é, em média, 20% menor que o de seu ancestral. Talvez para sobreviver entre os homens eles não necessitem da astúcia de um lobo silvestre. De acordo com Alexandra Horowitz, a ideia de que o dono precisa mostrar que é uma espécie de macho alfa não faz sentido. Os cães também não formam matilhas. Não existe entre eles um macho dominante como há entre os lobos. Talvez o cão veja no homem um companheiro, e não necessariamente um chefe. O animal domesticado se tornou especialista nas reações humanas. Ele percebe o sentido pela entonação da voz e é capaz de diferenciar o elogio da reprimenda. Da mesma forma, ele olha para o rosto humano em busca de informações, orientações e segurança. No final, é mesmo o melhor amigo do homem.

 

www.veja.com.br

Coluna 14 - Jornal Hoje Centro Sul


0

CINOMOSE

No Brasil apenas 1 em cada 5 cães é vacinado contra a Cinomose. Essa grave doença, quase sempre fatal pode ser prevenida com a vacinação.

O que é Cinomose?

A cinomose é uma doença em cachorros:

- sistêmica, ou seja, pode atingir vários órgãos

- altamente contagiosa

- causada por um vírus

- frequentemente leva à morte cachorros filhotes e adultos

 Como se pega Cinomose?

 Qualquer cachorro, em qualquer idade, pode ser contaminado com cinomose de diferentes formas.O vírus pode ser transmitido na roupa das pessoas ou um cachorro assintomático (aquele que possui a doença, mas não apresenta seus sintomas) que já tem a doença pode passar para outro sadio através de secreções (nasais, fezes etc). Uma forma comum de contaminação ocorre em canis, potes de alimentação, caixas para transporte, quando se entra em contato com materiais contaminados por um cachorro doente. Daí a importância de desinfecção desses materiais e lugares de uso compartilhado por vários animais.

Quais são os sinais de Cinomose?

·         Febre

·         Apatia

·         Perda de apetite

·         Falta de coordenação

·         Vômito e diarréia

Diante desses sintomas leve seu animal de estimação imediatamente ao veterinário.

Cinomose tem cura?

O tratamento, após diagnóstico de cinomose confirmado por exame de laboratório, pode ser bem difícil.O cachorro doente deve ser isolado para receber tratamento de apoio e antibióticos para auxiliar no combate a infecções secundárias. Por se tratar de um vírus, não há um medicamento específico para o tratamento da cinomose, o que torna sua cura mais difícil.Filhotes não têm bom prognóstico de recuperação, com taxa de mortalidade bem alta. O tratamento de apoio é feito com a reposição de líquidos perdidos durante a doença, além de oferecer um ambiente limpo e com temperatura agradável. Se a cinomose evoluir para os estágios finais sem que o cachorro receba tratamento, pode haver danos neurológicos difíceis de tratar, sendo que o veterinário pode sugerir o sacrifício do animal. Lembre-se de que cachorros que estejam em tratamento podem continuar a espalhar o vírus por várias semanas, mesmo depois do desaparecimento dos sintomas. Lembre-se de que um cachorro doente pode manifestar apenas sinais digestivos ou respiratórios.

Fonte – site: http://www.cinomose.com.br - Campanha “CINOMOSE AQUI NÃO” (WSPA – Sociedade Mundial de Proteção Animal).

Coluna 13 - Jornal Hoje Centro Sul


0

Como cuidar do seu gato - 10 aspectos essenciais

Embora os gatos se mostrem muito independentes e experts na utilização da caixa de areia, eles ainda dependem de você no que diz respeito a prover alimento, água, um lar seguro, cuidados veterinários, sua companhia entre outras coisas. Prestando atenção a estes quesitos essenciais você garantirá uma recompensadora relação com seu felino.

1- Confeccione um colar com uma placa de identificação para seu gato caso ele ande pela vizinhança ou escape, contendo nome, endereço e número de telefone. Não importa o quão cuidadoso você seja, sempre há uma chance de seu felino escapulir por uma brecha na porta. A utilização de uma placa de identificação eleva as chances de ter seu gatinho de volta ao lar, são e salvo.

2- Siga as leis que regulam a posse animal em sua cidade. Estas legislações têm por objetivo assegurar proteção para os animais e a comunidade.

3- Mantenha seu gato dentro de casa. A criação indoor – sem acesso as ruas – é o melhor para seu gato, para você e sua comunidade.

4- Leve seu gato regularmente ao veterinário para uma avaliação. Caso não tenha um veterinário, busque por referências junto a grupos de proteção animal e/ou indicação de amigos.

5- Castre seu gato. Isto elimina possíveis problemas no aparelho reprodutor e colabora para redução do problema da superpopulação.

6- Ofereça ao seu gato uma dieta balanceada e muita água fresca. Pergunte ao seu veterinário sobre indicações da ração adequada para seu animal, bem como a quantidade diária apropriada às necessidades dele.

7- Treine seu gato para eliminar comportamentos indesejáveis, tais como, arranhar mobília ou pular em prateleiras. Ao contrário da crença popular, os gatos podem ser treinados, desde que haja um pouquinho de paciência, esforço e compreensão de sua parte.

8- Escove freqüentemente seu gato, assegurando assim um pêlo saudável, reduzindo a formação de bolas de pêlo em seu estômago. Escove os gatos de pêlo longo e os gatos de pêlo curto, estes também precisam deste tipo de cuidado, já que ingerem grandes quantidades durante os “banhos” (quando se lambem).

9- Reserve um tempo para brincar com seu gato. Embora gatos demandem um nível menor de exercícios que os cachorros, momentos de brincadeira e interação garantem a ele atividade física e estimulação mental, além de fortalecer os laços afetivos que existem entre você e ele.

10- Seja leal e paciente com seu gato. Certifique-se de que suas expectativas em relação a um gatinho são razoáveis e lembre-se que a maioria dos problemas comportamentais podem ser resolvidos.

Fonte: HSUS - The Humane Society of the United States - é uma organização de proteção animal americana, conta com mais de 10 milhões de membros e existe há 54 anos.

Coluna 12 - Jornal Hoje Centro Sul


0

Como cuidar do seu cão

      Muitas pessoas cuidam de seus cães, mas poucas cuidam bem. Preparamos algumas dicas importantes para uma convivência agradável e o bem-estar do seu animal de estimação. Lembre-se; somente o veterinário pode indicar o que é melhor para o seu pet, consulte-o em caso de dúvidas.

·         FRIO, CALOR E DOR

Não deixe seu cachorro dormindo ao relento, no vento, na chuva, sem sequer um tapete ou um pano para protegê-lo, principalmente no inverno. Cachorros têm uma tolerância muito maior do que a nossa para a dor. Se você ouvir um cachorro ganir de dor, tenha certeza de que está doendo MUITO. Para um cachorro ganir de dor, a dor que ele está sentindo é tanta que um ser humano não agüentaria sem desmaiar. Portanto, respeite e esteja alerta aos sinais de dor do seu cachorro.

·         FOME E SEDE

Alimente o seu cachorro corretamente: filhotes até 8 meses devem ser alimentados 4 vezes por dia. Acima de 8 meses, passe para 2 vezes por dia. NUNCA dê menos de 2 refeições por dia para o seu cachorro.  Cães que comem uma única vez ao dia, ou menos do que isso, ficam agressivos, fracos, sujeitos a doenças e com graves problemas intestinais. Alimentos para humanos não são ideais para animais, por isso existe a ração, um alimento completo, próprio para cada idade ou raça. Caso sirva alimento de humanos deixe sempre à temperatura ambiente ou morno, nunca quente, não é necessário acrescentar temperos. Troque a água várias vezes ao dia, mesmo que ela pareça limpa.

·         DESVERMINAÇÃO PERIÓDICA

Os cães desenvolvem vermes no aparelho digestivo, e VERMES MATAM. Um período de 3 a 4 meses entre as aplicações dos vermífugos normalmente resolve o problema. Mantenha anotadas as datas da medicação, leve seu animal ao veterinário para uma consulta, ele sabe o que é adequado para vermes.

·         VÔMITOS E DIARRÉIAS

Vômitos ou diarréias sem motivo aparente podem ser sintomas de vermes ou sintomas de outras doenças mais graves (parvovirose e outras). Consulte o veterinário imediatamente em caso de vômitos e diarréias compulsivas, CACHORROS FICAM DESIDRATADOS EM QUESTÃO DE POUCAS HORAS E PODEM MORRER. Todos os cachorros comem grama às vezes, isso faz parte da sua alimentação, eles escolhem cuidadosamente o tipo de grama que devem comer em cada situação. Se comerem demais, vomitam. Em determinadas ocasiões, o cachorro sabe instintivamente que comeu algo errado e precisa vomitar. Se continuar este quadro leve imediatamente ao veterinário.

·         DORES MUSCULARES

Quanto maior o cachorro, mais propenso a dores musculares, embora este problema atinja a todos de forma geral. Se houver dores musculares agudas (cujos sintomas podem ser gemidos, manqueira, dificuldade de se levantar ou deitar ou tremores nas patas, leve ao veterinário para uma avaliação mais detalhada, não deixe o seu cão sofrendo. No inverno, a incidência de dores musculares aumenta. Qualquer torção, batida ou movimento muito brusco pode causar uma dor muscular que se estenderá por vários dias. Evite que cães de tamanhos muito diferentes brinquem juntos, evitando que se machuquem.

·         LIBERDADE DE MOVIMENTOS

Manter um cão enclausurado é um dos piores crimes que se pode cometer. Ele ficará doente, agressivo e muito triste. Cachorros precisam de liberdade de movimentos. Muitos tipos de dores musculares são causadas por falta de movimento. NÃO MANTENHA SEU CACHORRO PRESO, NEM PERMITA QUE OUTROS OS MANTENHAM.

·         ATROPELAMENTOS

Recolha o cão imediatamente, sem manipulá-lo demais. Procure deitá-lo na mesma posição em que estava e transporte-o IMEDIATAMENTE a um veterinário competente. Ossos fraturados têm maior capacidade de recuperação quando tratados sem demora. NÃO SE OMITA. NÃO DEIXE UM CACHORRO ATROPELADO SOFRENDO

Coluna 11 - Jornal Hoje Centro Sul


0

  

Da sensibilidade nasce um voluntário

   

   Somente quem tem sensibilidade pode colocar-se no lugar de um animal ou um ser humano em sofrimento. É muito fácil criticar, dar lições de moral, pregar religiões e não agir, “falar é fácil”, esta é uma expressão bem conhecida de todos, mas agir... fazer o bem, ser um voluntário, lutar por uma causa não é tão fácil , mesmo assim existem muitas pessoas que doam parte do seu tempo ou até mesmo suas vidas por uma causa, sem receber benefício financeiro algum, mas uma alegria indescritível, um preenchimento  espiritual maravilhoso e a certeza de que podem ser um exemplo a outros que continuarão o trabalho.

    Uma pessoa com sensibilidade faz suas tarefas sem grandes alardes, ela simplesmente faz, porque sabe que espiritualidade não é teoria, mas AÇÃO, quer melhorar o mundo, mesmo que seja pouco, ao seu redor, por isso torna-se um voluntário, seja ajudando animais, idosos, crianças, doentes ou qualquer outra finalidade em benefício do mundo, da humanidade.

    Uma pessoa com sensibilidade coloca-se no lugar de um animal abandonado e entende sua dor, por isso urge em seu coração o desejo de fazer alguma coisa, ela sente o que essa criatura indefesa vive, sofre por um cão abandonado nas ruas, com fome, sede e feridas pelo corpo, com desnutrição avançada, enfrentando chuva, geada e outras intempéries, quando tenta uma aproximação com um ser “humano” para receber alimento ou carinho e leva chutes, pedradas e outros maus-tratos. Por tudo isso se torna voluntário, porque dói nela a crueldade feita a um animal.

    Uma pessoa com sensibilidade é voluntária em um hospital ou outras casas de apoio, auxilia pacientes com câncer, AIDS ou outras enfermidades, pode visitar os asilos e orfanatos, pode ser útil em meio a bandidos na prisão, em meio a alcoólatras e viciados em drogas, pode promover eventos beneficentes e fazer a sua parte na sociedade, percebe onde será mais útil de acordo com suas afinidades, escolhendo sua função.

     Por causa das pessoas com sensibilidade o mundo ainda não foi destruído, porque sempre uma árvore a mais é plantada, uma flor a mais é regada, uma mão é estendida. Por que essas pessoas colocam-se no lugar de quem padece, sejam outros seres humanos, animais ou causas ecológicas.

   Resta a pergunta: “Por que você não se coloca no lugar de quem está sofrendo?” Não com o intuito de compaixão sem ação, mas com a intenção de fazer um pouco, muito pouco, pois ninguém deve sentir-se o salvador do mundo, um herói ou guerrilheiro e fazer justiça com as próprias mãos.

  Lembre-se: uma pessoa com sensibilidade apenas sente a necessidade de fazer o bem, de contribuir com o mundo, de ver sorrisos e receber o maior presente que possa existir, a gratidão.

 

 

BLOG : http://ongsosamigobicho.blogspot.com

Site1: http://sosamigobicho.no.comunidades.net

Site 2: http://www.wix.com/amigobicho/SOS-Amigo-Bicho

E-mail: sosamigobicho@ig.com.br

Orkut: ONG SOS AMIGO BICHO (página e comunidade)

Youtube: ONG SOS AMIGO BICHO

Telefone para informações: (42) 3423-1571

 

 

Coluna 10 - Jornal Hoje Centro Sul


0

Por que ajudar animais?

Tudo o que existe na natureza, vivo ou não, merece nosso cuidado: a água, as árvores, o ar e a terra. Seria muito simplista pensarmos que nossa espécie poderia sobreviver se dedicássemos apenas aos seres humanos os nossos esforços e cuidados.

● Quem ajuda os animais ajuda os seres humanos
As ONGs de proteção animal auxiliam o poder público no controle das zoonoses, ou seja, das doenças que os animais transmitem, especialmente os domésticos. Fazem isso de uma forma humanitária, através de campanhas de vacinação e esterilização gratuitas ou a baixo custo, tratamento de animais doentes, entre outras ações. Com isso, crianças e adultos, especialmente os mais carentes, podem conviver com seus animais de forma saudável e segura.

● Quem protege os animais inibe a violência contra os seres humanos
Diversos estudos comprovam que os indivíduos que praticam violência contra os animais, fatalmente irão cometer atos violentos contra seus semelhantes. As comunidades que punem essas atitudes ainda na raiz, na verdade estão criando mecanismos de proteção que darão bons frutos futuros.

● Quem convive com os animais aprende os mais preciosos valores humanos
Numa sociedade tão individualista como a nossa, os animais são como um sopro de esperança. Com eles aprendemos sobre a solidariedade, o amor ao próximo, a tolerância, a celebração da vida e a simplicidade.

● Quem tem o amor de um animal encontra forças para vencer as piores dores humanas
Os famosos “doutores de quatro patas” levam alegria às crianças nos hospitais e aos idosos nos asilos.  Sabe-se que a presença de um animal em casa tem o "poder" de reduzir a pressão sanguínea de pacientes cardíacos, bem como estimular idosos a caminhadas e interações com outras pessoas. Crianças com dificuldades de relacionamento e problemas de aprendizagem também se beneficiam com a presença de mascotes.

● Os animais ajudam os humanos nas tarefas diárias
Quem não se emociona ao ver cães ajudando bombeiros em resgates? Quem não admira a ajuda que um cão-guia presta a seu amigo deficiente visual? Quem não aplaude um animal que pelo seu delicado olfato consegue encontrar drogas e tirá-las de circulação? As ações e a presença dos animais são muito importantes em nossas vidas e eles recebem por tudo isso apenas alimentação, abrigo e carinho, nada mais.

● Quando a mente não é pequena o coração dos humanos se engrandece
Quando optamos por ajudar animais, nada nos impede de também ajudar pessoas. Por que uma ação de solidariedade excluiria a outra? Quem ajuda animais normalmente também ajuda entidades que dedicam cuidados aos seres humanos. Essas pessoas já ampliaram sua visão sobre esse assunto e sabem que o bem-estar do planeta exige muito mais que apenas um foco de atenção. Por tudo isso, honre a sua opção de também ajudar animais. Você faz parte de um seleto grupo de pessoas cuja sensibilidade e ações tornarão esse mundo um lugar melhor para se viver.

Somos pessoas como você. Dividimos nosso tempo entre atividades profissionais, família e lazer. Também disponibilizamos parte desse tempo para o voluntariado. Esse é o motivo de estarmos juntos, fortes e em plena atividade. Acreditamos que a preocupação que nos faz agir em favor dos animais não é um capricho. Entendemos que é uma necessidade premente, uma forma das pessoas mostrarem sua sensibilidade e capacidade resolutiva diante dos problemas das demais formas de vida do planeta.

Texto: site Projeto Bicho de Rua

  

BLOG : http://ongsosamigobicho.blogspot.com

Site1: http://sosamigobicho.no.comunidades.net

Site 2: http://www.wix.com/amigobicho/SOS-Amigo-Bicho

E-mail: sosamigobicho@ig.com.br

Orkut: ONG SOS AMIGO BICHO (página e comunidade)

Youtube: ONG SOS AMIGO BICHO

Telefone para informações: (42) 3423-1571

  

Agradecemos à Cultura FM (87.9) pela divulgação da ONG e seu trabalho.

 

 

Coluna 9 - Jornal Hoje Centro Sul


0

Por que vacinar seu cão?

 

Nas últimas décadas houve um aumento significativo da população canina, tanto cães errantes como domiciliares; como conseqüência ocorreu uma maior disseminação de muitas doenças. Entre elas, pricipalmente as viroses que são altamente infecto-contagiosas, de difícil tratamento e em inúmeras vezes incuráveis.

A vacinação é o único método eficaz de prevenção. Para seu animal estar apto para receber a vacina ele deve estar 100% saudável, ou seja, livre de qualquer doença e parasitas.

 Para que a vacinação seja eficaz alguns itens são imprescindíveis:

  • Vacina polivalente de qualidade,
  • Conservação adequada da mesma,
  • Avaliação prévia do animal por um médico veterinário e,
  • Aplicação da vacina pelo profissional.

 

O filhote deve receber a primeira dose da vacina a partir dos 42 dias de idade, seguida de 2 doses de reforço, nas datas determinadas pelo médico veterinário. É necessário reforço anual.

A vacinação contra raiva é feita separadamente, sendo dose única, a partir dos 4 meses, com reforço anual.

Vacinar é um ato de amor.

  

Dra. Ana Lucia Mazur R. de Freitas                        Dra.Mariana Pavelski

            CRMV-PR 3905                                           CRMV-PR 8075


A ONG precisa de doações:

Ração para cães e gatos, medicamentos veterinários, materiais de primeiros socorros, roupas e objetos usados para bazar.

Entregar na Rua XV de Novembro, 207 – Irati – PR (Aline)

 

 

Coluna 8 - Jornal Hoje Centro Sul


0

POSSE RESPONSÁVEL

 

O que é posse responsável?

É ser dono de um animal de estimação e tomar vários cuidados para que ele tenha saúde e bem-estar.

      Para que se efetive uma posse responsável há que se observar atentamente determinadas condições. Assim, antes de adotar ou comprar um animal doméstico, o futuro dono deve observar, entre outros fatores:

 - tempo de vida do animal;

- as despesas com alimentação e tratamentos de saúde;

- a adequação do espaço físico disponível para a criação;

- pessoa(s) com tempo para passear e/ou interagir com o animal;

- pessoa(s) para alimentá-lo durante eventuais ausências prolongadas do dono.

 Necessidades básicas:

      Antes de se adquirir um animal doméstico (cão ou gato), é importante saber que apenas água e comida não dão conta das suas necessidades básicas.

     A posse responsável implica em suprir uma série de condições:

 - fornecer boas condições ambientais: espaço adequado; higiene; cuidados para evitar a superpopulação;

- vacinar regularmente o animal (contra a raiva e outras moléstias);

- proporcionar ao animal atividades físicas e momentos de interação com as pessoas, lembrando-se que o animal só deve passear em vias públicas devidamente contido, utilizando coleira e guia;

- responsabilizar-se pela limpeza dos dejetos de seu animal;

- evitar a procriação inconseqüente, isolando o animal nas fases de cio ou utilizando métodos anticoncepcionais. A procriação deve ser planejada, de forma a garantir um futuro saudável aos filhotes, no mínimo com os mesmos cuidados dispensados aos pais;

- freqüentar regularmente o médico veterinário.

 Por que não deixar o animal solto nas ruas? 

A posse responsável implica em manter o animal dentro do espaço doméstico, a fim de evitar transtornos relacionados com animais errantes. Deixar um gato ou um cão solto nas ruas pode acarretar muitos problemas:

- transmissão de doenças como raiva, leptospirose, leishmaniose, toxoplasmose, entre outras;

- possibilidade não só de o animal sofrer um acidente automobilístico (com danos muitas vezes irreparáveis) como também de atacar outros animais ou pessoas (no caso de crianças, as conseqüências costumam apresentar extrema gravidade);

- sujeira nas vias públicas, devido ao aumento da quantidade dos dejetos fecais;

- deterioração do meio ambiente, com a destruição de sacos de lixo (onde os animais errantes procuram sua fonte de alimento nas ruas);

- procriação sem controle, contribuindo para agravar ainda mais o problema da superpopulação de animais errantes.

     A sociedade deve se aliar aos órgãos públicos no sentido de diminuir a quantidade de animais errantes em nossas cidades. Só assim se aumentará a qualidade de vida dos animais e da própria população.

 

Fontes:

·         Centro de Controle de Zoonoses – Secretaria Municipal de Saúde de Campinas-SP

·         Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo

 

Coluna 7 - Jornal Hoje Centro Sul


0

   Maus Tratos   

     Perguntamos-nos muitas vezes “O que leva um ser humano a maltratar os animais?” Somente o homem maltrata e mata outros seres vivos sem motivo de defesa. No reino animal não existe crueldade, existe a lei da sobrevivência e da cadeia alimentar.

    Somente o homo “sapiens” sente prazer em caçar por esporte, em matar focas a pauladas, pescar grandes tubarões para retirar somente a barbatana, matar elefantes para retirar seus dentes e tigres para arrancar sua pele valiosa. Vários animais transformam-se em belos casacos para madames, bolsas e sapatos. A indústria explora a vida animal de todas as formas, criadouros de gado, frangos, patos, porcos e outros animais são verdadeiros locais de tortura e muita gente não tem noção da crueldade que existe nesses locais. Os circos também colaboram com os maus tratos, colocando animais em cativeiro, sob péssimas condições e exaustivos trabalhos.

   Há quem maltrate cães e gatos pelo simples desejo de ver o animal em extrema angústia. Para que isso? O que há na mente de alguém que tem a capacidade de fazer crueldades sem motivo algum? Os animais geralmente são indefesos, tornam-se bravos somente em resposta instintiva de defesa.

   A ONG SOS Amigo Bicho recebe inúmeras denúncias de maus-tratos, atos violentos em animais são registrados em seus arquivos e comentados nas reuniões. Motoristas passam em cima de cães propositalmente, jovens utilizam cadelas para fins sexuais, outros amarram cães na linha do trem, jogam filhotes em sacolas dentro de rios e  buracos, amarram cães em qualquer lugar e deixam sem alimento e água, espancam até quebrar os dentes deixando o animal com traumatismo craniano e outras aberrações que nos deixam em estado de choque.

   Se você sabe de algum caso DENUNCIE, não tenha medo, vá até a polícia, anote a placa do carro, telefone para a ONG e tome providências, não fique calado por medo, seu nome será resguardado. Faça a sua parte, vamos eliminar com a violência aos animais, lembrando que existe a Lei Federal nº. 9.605/98 - É considerado crime praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos. A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.

 

Declaração Universal de Bem-Estar Animal (DUBEA)


0


O futuro do bem-estar animal está no reconhecimento de que os animais importam. A WSPA está lutando por isso na forma de uma Declaração Universal de Bem-Estar Animal (DUBEA).

Uma declaração afirmando nossa obrigação de respeitar os animais e suas necessidades de bem-estar teria um impacto de longo prazo no bem-estar de bilhões de animais e pessoas em todo o mundo.

Um acordo sobre a importância de um assunto afeta as atitudes das pessoas, e atitudes refletem ações.

O que é?

Uma Declaração Universal de Bem-Estar Animal seria um acordo entre pessoas e nações estabelecendo que:
Os animais são seres sencientes e, por isso, sensíveis ao sofrimento.
As necessidades de bem-estar dos animais devem ser respeitadas.
Os maus-tratos contra os animais têm que acabar para sempre.

Veja um esboço da declaração (PDF arquivo, 65KB) em Inglês >>
O que ela conseguirá?

A adoção de uma DUBEA pela ONU iria:
Determinar o bem-estar animal como questão internacional
Incentivar a melhora e o cumprimento da legislação nacional de bem-estar animal, ao estabelecer parâmetros para os governos.
Reconhecer o bem-estar animal como fator primordial na elaboração de políticas ambientalistas e humanitárias.
Encorajar as indústrias que usam animais a colocar o bem-estar deles em primeiro lugar.
Reconhecer os riscos causados por fatores ambientais, tais como mudanças climáticas, perda do habitat e poluição, para os animais.
Criar uma atitude mundial mais solidária com o bem-estar animal, considerando suas necessidades e habitats.

Uma declaração também melhoraria as vidas de mais de um bilhão de pessoas que dependem dos animais para sua subsistência, e outras tantas incontáveis que buscam animais para companhia.

A Declaração Universal traria benefícios para a saúde humana – o bem-estar animal contribui para sistemas de criação sustentáveis e para uma maior segurança das fontes alimentares dos humanos.

“Mais de um bilhão de pessoas no mundo depende diretamente dos animais para sua sobrevivência, e no Quênia não é diferente... As pessoas no meu país sabem disso. Quando ocorre uma seca, muitas vezes damos água aos nossos animais antes mesmo de saciar nossa própria sede”. Hon Noah Wekesa, Ministro da Educação, Ciência e Tecnologia, Quênia.
O que posso fazer?

Junte-se à WSPA, assim como a mais de 220 grupos de bem-estar animal e governos solidários em todo o mundo, na nossa luta por uma Declaração Universal de Bem-Estar Animal.

acesse o site - http://www.wspabrasil.org

Para mim os animais importam


0


Campanha

Ajude-nos a atingir o reconhecimento mundial que os animais merecem; eles podem sentir dor, podem sofrer e nós temos a responsabilidade em pôr um ponto final nesta crueldade em todo o mundo. Estamos tentando recolher 10 milhões de assinaturas para que os governos tomem conhecimento de que estamos verdadeiramente empenhados em conseguir uma Declaração Universal do Bem-estar dos Animais nas Nações Unidas.

* Cerca de 60 bilhões de porcos, vacas e galinhas são usados anualmente para produzir carne, leite e ovos. A maior parte são criados em sistemas de fazendas industriais onde as necessidades de bem-estar não são respeitadas.

* Existem cerca de 600 milhões de cães em todo o mundo, e um número semelhante de gatos em que 80% são vadios ou abandonados.

* O comércio ilegal e desumano é um Mercado Negro em expansão com lucros que rondam os $10 bilhiões por ano, ultrapassado apenas pelo negócio de armas e droga. Milhões de animais selvagens são mortos, capturados ou vendidos de maneira desumana neste negócio sombrio. 

* Cerca de 80% da potência utilizada em fazendas nos países em vias de desenvolvimento são animais de trabalho, porém, os recursos disponíveis são inadequados, provocando graves problemas de bem-estar. 

* Os animais também são afetados em grande escala por acidentes naturais, ainda que este fator não seja muito considerado.

acesse: http://www.animalsmatter.org

Envie a foto do seu pet


0



Envie a foto do seu pet, colocaremos no blog em forma de scrapbook (vários modelos)

* coloque o nome do seu animal de estimação

* coloque o seu nome, idade e cidade onde mora

* pode enviar até 3 fotos diferentes, com boa qualidade.

e-mail 1: maisac@onda.com.br

e-mail 2: sosamigobicho@ig.com.br

Coleira Falante


0


Um acessório que se não resolve, pelo menos dá uma ajuda extra aos cachorrinhos perdidos. A idéia é pra lá de simples, mas bastante inteligente. Além de ser antipulgas, esta coleira possui um pequeno gravador onde se pode deixar mensagens como endereço e telefone dos donos. Uma ajudinha a mais para você manter seu melhor amigo sempre por perto. Custa 24,99 dólares.

Fonte: http://www.bemlegaus.com

Colete de emergência animal


0








O título parece brincadeira, mas o inusitado acessório existe mesmo! E claro, só poderia vir do Japão! Este verdadeiro kit de sobrevivência foi criado para que em meio a terremotos, incêndios e outros desastres, os bichinhos de estimação também tenham uma chance. Mas o colete não é apenas para cães e gatos, seus donos também têm benefícios. A idéia é simples: incluir uma série de itens que possam ser essenciais no caso de uma tragédia.
O colete em si é feito de um material extremamente resistente ao fogo, como o da roupa de bombeiros, e uma alça permite que se carregue o animal com agilidade. O resto é dividido em dois. Para os cães e gatos: Capuz, botinhas de borracha, água, ração, pote de comida, coleira, brinquedo, sino, recipiente à prova d'água com papel em branco, entre outros. Para os donos: saquinhos com água e líquidos desinfetantes, barras de proteína, bandagens, luvas decartáveis, mini-rádio, lanterna, apito, entre outros.
São três tamanhos conforme o porte de cada animal e a quantidade de acessórios muda de acordo com isto. Os preços começam em 472 dólares o menor, 551 dólares o médio e o maior 629 dólares.

Fonte/BLOG: http://www.bemlegaus.com

Protetores de animais são protetores de vidas


0


Protetores de animais são protetores de vidas

São pessoas sensíveis a dor e ao sofrimento independente da espécie. Amam, respeitam e cuidam também dos seus semelhantes.
Simplesmente optaram pelo trabalho voluntário aqueles que não são seus iguais. Por essa razão, muitas vezes são chamados de “loucos”, e realmente são! Mas não é uma loucura baseada na alienação, na perda da razão, mas sim na coragem e na bravura, essa é a “loucura”!
É a loucura corajosa para carregar a bandeira da defesa pelo diferente, de ser porta voz daqueles que não falam. É a loucura de fazer o bem sem olhar a quem ou a que, de estender a mão sem esperar retribuição, é a loucura do amor ao próximo, de ajudar aquele que necessita, semelhante ou não, é a loucura da compaixão, de fazer por amor, é uma loucura que faz muito bem.
Fazer o bem faz bem, sempre respeitando a vida, independente da espécie.

Citação


0

Oração dos animais


0

Bicho não é lixo


0

Cartazes


0










Ode ao gato


0




ODE AO GATO (Artur da Távola)


Nada é mais incômodo para a arrogância humana que o silencioso bastar-se dos gatos. O só pedir a quem amam. O só amar a quem os merece. O homem quer o bicho espojado, submisso, cheio de súplica, temor, reverência, obediência. O gato não satisfaz as necessidades doentias do amor, só as saudáveis.

Já viu gato amestrado de chapeuzinho ridículo obedecendo as ordens de um pilantra que vive as custas dele? Não! Até o bondoso elefante veste saiote e dança valsa no circo. O leal cachorro no fundo compreende as agruras do dono e faz a gentileza de ganhar a vida por ele. O leão e o tigre se amesquinham na jaula. Gato não. Só aceita relação de independência e afeto. Como não cede ao homem, mesmo quando dele depende, é chamado de traiçoeiro, egoísta, safado, espertalhão ou falso.

“Falso” porque não aceita a nossa falsidade e só admite afeto com troca e respeito pela individualidade. O gato não gosta de alguém porque precisa gostar para se sentir melhor. Ele gosta pelo amor que lhe é próprio, que é dele e dá se quiser.
O gato devolve ao homem a exata medida da relação que dele parte. Sábio é espelho. O gato é zen. O gato é Tao. Conhece o segredo da não ação que não é inação. Nada pede a quem não o quer. Exigente com quem o ama, mas só depois de muito certificar-se. Não pede amor, mas se lhe dá, então o exige.

O gato não pede amor. Nem dele depende. Mas quando o sente é capaz de amar muito. Discretamente porém sem derramar-se. O gato é um italiano educado na Inglaterra. Sente como um italiano mas se comporta como um lorde inglês.
Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não transa o gato. Ele aparece, então, como ameaça, porque representa a relação sempre precária do homem com o (próprio) mistério. O gato não se relaciona com a aparência do homem. Vê além, por dentro e avesso. Relaciona-se com a essência.

Se o gesto de carinho é medroso ou substitui inaceitáveis (mas existentes) impulsos secretos de agressão, o gato sabe. E se defende do afago. A relação dele é com o que está oculto, guardado, e nem nós queremos, sabemos ou podemos ver. Por isso, quando esboça um gesto de entrega, de subida no colo ou manifestação de afeto, é muito verdadeiro, impulso que não pode ser desdenhado. É um gesto de confiança que honra quem o recebe, significa um julgamento.

O homem não sabe ver o gato, mas o gato sabe ver o homem. Se há desarmonia real ou latente o gato sente. Se há solidão, ele sabe e atenua como pode (enfrenta a própria solidão de maneira muito mais valente do que nós).

Se há pessoas agressivas em torno ou carregadas, eles se afastam. Nada dizem, não reclamam. Afastam-se. Quem não os sabe “ler” pensam que eles não estão ali, saíram ou sei lá onde o gato se meteu. Não é isso! É preciso compreender porque o gato não está ali. Presente ou ausente, ensina e manifesta algo. Perto ou longe, olhando ou

fingindo não ver, está comunicando códigos que nem sempre (ou quase nunca) sabemos traduzir.

O gato vê mais, vê dentro e além de nós. Relaciona-se com fluidos, auras, fantasmas amigos e opressores. O gato é médium, bruxo, alquimista e parapsicólogo. É uma chance de meditação permanente a nosso lado, a ensinar paciência, atenção, silêncio e mistério.

Monge, sim, refinado, silencioso, meditativo e sábio, a nos devolver as perguntas medrosas esperando que encontremos o caminho na sua busca, em vez de o querer preparado, já conhecido e trilhado. O gato sempre responde com uma nova questão, remetendo-nos a pesquisa permanente.

O gato é uma lição diária de afeto verdadeiro e fiel. Suas manifestações são íntimas e profundas. Exigem recolhimento, entrega, atenção. Desatentos não agradam os gatos. Bulhosos os irritam. Tudo o que precisa de promoção ou explicação os assusta. Ingratos os desgostam. Falastrões os entediam. O gato não quer explicação, quer afirmação. Vive do verdadeiro e não se ilude com aparências. Ninguém em toda sua natureza, aprendeu a bastar-se (até na higiene) a si mesmo como o gato!

Lição de sono e musculação, o gato nos ensina todas as posições de respiração ioga. Ensina a dormir com entrega total e diluição recuperante no Cosmos. Ensina a espreguiçar-se com a massagem mais completa em todos os músculos, preparando-os para ação imediata. Se os preparadores físicos aprendessem o aquecimento do gato, os jogadores reservas não levariam tanto tempo (quase quinze minutos) se aquecendo para entrar em campo. O gato sai do sono para o máximo de ação, tensão e elasticidade num segundo. Conhece o desempenho preciso e milimétrico de cada parte de seu corpo, ao qual ama e preserva como a um templo.
Lições de saúde sexual e sensualidade. Lição de envolvimento amoroso com dedicação integral de vários dias. Lição de organização familiar e definição de espaço próprio e território pessoal. Lição de anatomia, equilíbrio, desempenho muscular. Lição de salto. Lição de silêncio. Lição de descanso. Lição de introversão. Lição de contato com o mistério, o escuro e a sombra. Lição de religiosidade sem ícones.

Lição de alimentação e requinte. Lição de bom gosto e senso de oportunidade. Lição de vida e elegância, a mais completa, diária, silenciosa, educada, sem cobranças, sem veemência ou exageros e incontinência.
O gato é um monge portátil sempre à disposição de quem o saiba perceber.